Torabras - Blog

Blog Torabras

Diferenças entre Pinus e Eucalipto Tratado

Devido as grandes pressões ambientais e as novas políticas sustentáveis, as madeiras de florestas plantadas se tornaram a melhor alternativa para quem procura madeira de alta qualidade, durável e ecologicamente correta. Mediante a este cenário, o Pinus e o Eucalyptus tratados são gêneros que atendem a todas as demandas, basta saber em qual área cada material é apropriado. Antes de tudo temos que entender as diferenças entre estes gêneros. O Pinus é um gênero oriundo das pináceas também chamadas de coníferas, a sua principal característica é a versatilidade, fácil trabalhabilidade e a isenção de defeitos na madeira. É uma madeira leve, porém de excelente relação resistência versus peso. Já o gênero Eucalyptus é caracterizado por uma madeira mais pesada do que o Pinus, porém este após seu processo de secagem, pode sofrer alguns defeitos, principalmente quando falamos de madeira serrada. É comum o Eucalipto após sua secagem apresentar pequenas trincas e empenamentos, por isso é muito importante secar à sombra a madeira deste gênero, principalmente se for serrada. Outra medida para garantir um bom desempenho no uso desta madeira é usar produtos de acabamento que selem a madeira. Ao entendermos como cada madeira funciona podemos aplica-la da melhor maneira. Por exemplo, o Eucalipto é indicado para aplicações menos nobres, mais rústicas e que demandem de resistência mecânica, como estacas de cerca, esteios para curral, caibros para telhado, pilares e colunas. Já o Pinus se mostra com uso mais nobre em ambientes que demandem maior estética e que valorizem o belíssimo desenho que este gênero oferece, como pisos, móveis, e produtos de maior valor agregado. Só na Torabras você tem apoio técnico especializado para orientar a melhor madeira para sua demanda.           

Tempo de “cura” do Tratamento da Madeira

O sucesso da madeira imunizada com CCA-C se deve à sua eficiência em proteger a madeira contra agentes biológicos garantindo sua durabilidade, que é maior em comparação com a madeira não tratada. Assim sendo, a madeira imunizada com CCA-C ideal para uso em áreas internas ou externas. Outro fator que contribuiu para a expansão do uso da madeira imunizada com CCA-C no Brasil foi a preocupação com o meio ambiente. A madeira é um material renovável, mas sua exploração descontrolada pode levar à devastação de florestas e impactos ambientais significativos. A utilização da madeira imunizada com CCA-C contribui para a preservação das florestas, já que a madeira tratada terá uma vida útil maior, reduzindo a necessidade de exploração de novas áreas. Mesmo com o crescente uso da madeira imunizada com o CCA-C ainda existem muitas dúvidas acerca do assunto, e, uma das principais questões que causa apreensão e cuidado no uso da madeira tratada com CCA-C é sobre o tempo de “cura” do preservante. Falta de informação, excesso de zelo e cuidado são fatores que fazem com que o produtor rural, em muitos casos, postergue desnecessariamente a instalação da madeira tratada em suas culturas agrícolas. Há casos em que o produtor adquire sua madeira e a deixa estocada por meses com receio de instalar e contaminar o solo. Vale lembrar que o processo de fixação química do CCA-C (Arseniato de Cobre Cromatado) à madeira envolve diferentes reações químicas que resultam na ligação dos componentes do CCA-C à estrutura da madeira. As reações químicas que ocorrem durante esse processo incluem a interação dos elementos presentes no CCA-C (cobre, cromo e arsênio) com os componentes da madeira, como a celulose e a lignina, os íons dos compostos do CCA-C reagem com os grupos hidroxila (-OH) presentes nas moléculas de celulose da madeira. Este tempo de reação química, também chamado popularmente de “cura” leva em torno de 2 a 4 dias em climas quentes (entre 20ºC e 35ºC em média), variando de acordo com as condições ambientais, principalmente a temperatura do ambiente. Sendo assim, após o tempo de “cura” a madeira tratada pode ser instalada sem nenhum risco de desprendimento do CCA-C. A ligação química do CCA-C à madeira é algo permanente, não há o desprendimento deste com o tempo, portanto não é recomendado queimar a madeira tratada, pois suas cinzas será um material contaminante bem como os gases liberados na queima.         

Descubra os tipos de madeira mais utilizado para pergolado

Eucalipto Roliço O Eucalipto é uma madeira de reflorestamento sustentável, nobre e resistente, ideal para a construção de pergolados duráveis. Sua forma bruta traz um toque de rusticidade ao projeto Pinus Serrado O Pinus tratado imune a cupins e fungos, tornando-a uma ótima opção para ambientes externos. Além disso, sua coloração escura confere um visual elegante ao pergolado. Benefícios dos pergolados em madeira Beleza natural A madeira confere uma beleza natural aos pergolados, combinando perfeitamente com diferentes estilos de decoração e paisagens. Sombra e proteção Os pergolados em madeira proporcionam sombra e proteção contra a incidência direta do sol, permitindo desfrutar do espaço externo com conforto. Valorização do imóvel Além de agregar charme e elegância ao espaço, os pergolados em madeira podem aumentar o valor de revenda do imóvel. Opção de cobertura viva Podem ser aderidas plantas ao pergolado como uma cobertura verde, trazendo aconchego e vida ao ambiente. Projeto e construção de pergolados em madeira Defina o objetivo e o estilo Antes de iniciar o projeto, defina o objetivo do pergolado e o estilo desejado, levando em consideração a arquitetura do ambiente. Escolha o tipo de madeira Selecione o tipo de madeira que melhor se adequa às suas necessidades , considerando a aparência estética e das dimensões do local. Contrate um profissional Se você não tem experiência em construção, é recomendado contratar um profissional para garantir a segurança e a qualidade da estrutura. Cuidados e manutenção dos pergolados em madeira Limpeza Realize a limpeza regularmente utilizando uma escova macia e um detergente suave diluído em água. Enxágue bem para remover os resíduos. Proteção A medida que há o desgaste do verniz ou stain, recomenda-se o lixamento da madeira e reaplicação deste. Manutenção periódica Verifique periodicamente se há danos na estrutura de madeira e faça os reparos necessários para garantir a durabilidade e a segurança do pergolado. Inspirações e ideias para pergolados em madeira Os modelos de pergolados feitos em madeira são uma adição encantadora para qualquer espaço externo. Com seus benefícios estéticos e funcionais, eles podem transformar um jardim, terraço ou área de lazer. Esperamos que este guia tenha inspirado você a criar o seu próprio pergolado e aproveitar ao máximo o seu ambiente ao ar livre.

Feira Espírito Madeira | Design de Origem

A feira “Espírito Madeira , aconteceu no município de Venda Nova do Imigrante no Espírito Santo, durante os dias 14 a 16 de setembro e reuniu mais de 162 expositores e mais de dez mil visitantes. O evento abriu espaço para 44 especialistas das mais diversas áreas do segmento madeireiro em 51 horas de programação com conteúdos enriquecedores, e a Torabras não poderia ficar de fora. Com uma palestra enriquecedora voltada ao tema da durabilidade, controle de qualidade e aplicações da madeira tratada, nosso gerente de produtos e engenheiro industrial madeireiro, por formação, José Antônio Neto, interagiu e esclareceu algumas dúvidas do público ouvinte. Vale lembrar que nossa palestra está gravada e disponível para o público gratuitamente na plataforma “Youtube” no canal do evento “Espírito Madeira 2023, dia 03”. Em um stand exclusivo montado com muito requinte, bom gosto e materiais de altíssima qualidade, a Torabras figurou entre os expositores mais procurados pelo público. Com uma solução para cada demanda do setor madeireiro, a Torabras teve um intenso movimento de negociações em seu espaço tanto nos setores do agronegócio como também no setor de construção civil e paisagismo. Na parte cultural, shows como os apresentados pela Camerata do Sesi, sob coordenação de Gizele Maffioletti junto a Marcelo Lages e Billy Marreiro, e participação de Dona Fran, Tati Celeste e Laís Stone encantaram o público na sexta e no sábado. O evento também contou com a presença de cervejarias locais e uma praça de alimentação completa. Líderes, políticos e representantes de instituições destacaram a importância do evento para a região e sua conexão com a história e a tradição da madeira no Espírito Santo. A segunda edição está confirmada para Setembro de 2024.

O que acontece com a madeira no processo de secagem

Quando a madeira passa pelo processo de secagem, várias mudanças ocorrem em sua estrutura e propriedades. Essas mudanças são resultado da perda de água da madeira e podem afetar suas características físicas, mecânicas e químicas. Aqui estão as principais mudanças que ocorrem na madeira durante a secagem, juntamente com referências bibliográficas para aprofundamento:   Redução do Teor de Umidade: A secagem da madeira envolve a remoção de água contida nas células da madeira. Isso resulta em uma redução significativa no teor de umidade da madeira. À medida que a água é perdida, a madeira encolhe e pode sofrer deformações, rachaduras e empenamentos.   Diminuição do Volume: A perda de água causa o encolhimento da madeira em todas as direções. Isso resulta em uma diminuição do volume da madeira, o que pode levar a deformações indesejadas, como rachaduras e empenamentos.   Aumento da Dureza e Resistência Mecânica: A medida que a madeira seca, suas propriedades mecânicas, como dureza, resistência à compressão e flexão, tendem a aumentar. Isso ocorre porque a estrutura da madeira se torna mais compacta à medida que a água é removida, resultando em uma maior densidade das fibras e células.   Mudanças na Cor: A secagem da madeira pode afetar a sua cor. Algumas madeiras podem escurecer após a secagem, devido a reações químicas que ocorrem entre os componentes da madeira, como lignina e taninos.   Redução na Condutividade Térmica: A madeira seca tem uma menor condutividade térmica em comparação com a madeira úmida. Isso pode ser importante para aplicações onde a madeira é usada como isolante térmico.   Aumento da Estabilidade Dimensional: Embora a secagem inicial possa levar a deformações, a madeira seca tende a ter uma maior estabilidade dimensional a longo prazo, uma vez que a maioria das mudanças já ocorreu durante o processo de secagem.

Descubra o que o tempo faz com a madeira tratada x madeira in natura

 A madeira é um material biológico e biodegradável, ou seja, ela apodrece com o tempo. Ela pode ser consumida por fungos, cupins e brocas.Ataque de fungos ApodrecedoresAtaque de CupinsAtaque de Brocas O apodrecimento da madeira depende principalmente das condições do local em que a mesma será instalada. Quanto mais umidade e mais incidência de matéria orgânica presente, maior será a velocidade de proliferação de fungos que podem consumir a madeira.Ao atacarem a madeira, os fungos alteram as propriedades mecânicas da madeira tornando-a um material quebradiço e “mole”, este ataque ocorre principalmente na zona de afloramento (região de interseção entre o ar e a terra). A madeira tratada com CCA-C é imune a todos os agentes deteriorantes, e para exemplificar a eficiência do tratamento preservativo foi realizado um experimento na Torabras, em Cachoeiro de Itapemirim, afim de comparar, após 1 ano instaladas estacas em zonas úmidas, a madeira tratada com CC-C com uma madeira sem tratamento preservativo. A seguir algumas fotos que comparam a madeira sem tratamento com a madeira tratada, evidenciando a eficiência do tratamento preservativo.Madeira sem TratamentoMadeira Tratada 

5 Curiosidades sobre a Madeira Tratada com CCA

A madeira tratada com CCA (Arseniato de Cobre Cromatado) é amplamente reconhecida por sua durabilidade e resistência. A Torabras Madeira, empresa referência em madeiras tratadas no Espírito Santo e no Rio de Janeiro, tem se destacado na produção de madeiras tratadas com CCA de alta qualidade. Neste artigo, apresentaremos cinco fatos importantes sobre a durabilidade da madeira tratada com CCA, destacando a experiência da Torabras e a recomendação de seu engenheiro madereiro, José Antonio Neto, sobre a importância do tratamento preservativo e consulta a especialistas.   Proteção contra insetos e agentes deteriorantes: O tratamento com CCA confere à madeira uma proteção eficaz contra insetos, como cupins e brocas, e agentes deteriorantes, como fungos e bactérias. O CCA penetra nas fibras da madeira, formando uma barreira química que evita a ação desses organismos, prolongando a vida útil do material.   Resistência às intempéries: A madeira tratada com CCA apresenta excelente resistência às intempéries, como a exposição ao sol, chuva, vento e variações climáticas. O tratamento protege a madeira contra os efeitos danosos dos raios UV, reduzindo a deterioração causada pela exposição prolongada aos elementos naturais.     Durabilidade em ambientes agressivos: A madeira tratada com CCA é especialmente recomendada para ambientes agressivos, como áreas litorâneas com alta concentração de salinidade e umidade. O tratamento protege a madeira contra a corrosão causada pelo sal presente no ar e pela umidade constante, garantindo sua durabilidade nessas condições desafiadoras.   Vida útil prolongada: A durabilidade da madeira tratada com CCA é notável, podendo atingir uma vida útil de 20 a 30 anos, ou até mais, quando submetida a condições adequadas de uso e manutenção regular. A proteção oferecida pelo tratamento preservativo garante que a madeira continue resistente ao longo do tempo.     Recomendação do Especialista O engenheiro madeireiro da Torabras, José Antonio Neto, destaca que a durabilidade da madeira tratada com CCA também depende do tratamento preservativo utilizado e do local onde será aplicada. Ele recomenda que os usuários consultem um especialista antes de adquirir madeira tratada, para garantir a escolha correta do material e tratamento para suas necessidades específicas.

Saiba qual o modelo de cerca de eucalipto ideal para cada área de sua propriedade

Existem vários modelos de cercas de eucalipto que se adequam a cada ambiente de sua propriedade. Saber o tipo de cerca e a boa prática de instalação é ideal para o bom desempenho de sua propriedade. Separamos 3 tipos de cercas e seu uso específico para cada ocasião.Cercas para Divisão de Pastagens Essas cercas são usadas para dividir pastagens em áreas menores e controlar o acesso dos animais. Materiais necessários: Postes de Eucalipto imunizado (diâmetro de 10 cm a 15 cm) Arame liso ou farpado (bitola 12 a 14) Pregos Esticadores Grampos Ferramentas básicas.   Passo a passo: Marque a área onde a cerca será instalada e identifique os pontos de fixação dos postes. Recomenda-se uma distância entre os postes de 3 a 4 metros. Cave os buracos para os postes, com uma profundidade de cerca de 50 cm, de modo a garantir a estabilidade. Posicione os postes nos buracos e certifique-se de que estejam nivelados e alinhados corretamente. Preencha os buracos com terra e compacte bem ao redor dos postes. Estique o arame liso ou farpado de um poste ao outro, começando pela parte inferior e subindo gradualmente. Prenda o arame aos postes com grampos, certificando-se de que esteja firme e tensionado. Utilize esticadores para ajustar a tensão do arame, se necessário. Repita o processo para adicionar mais fios de arame, conforme desejado, com uma distância recomendada de 30 a 40 cm entre eles. Corte o arame no último poste e prenda-o firmemente. Verifique regularmente a tensão dos arames e faça os ajustes necessários. Cercas de Manejo e Confinamento Essas cercas são utilizadas para criar áreas de manejo, como currais, troncos de contenção e áreas de confinamento. Materiais necessários Tábuas de Eucalipto imunizado (espessura de 2,5 cm a 5 cm). Postes de Eucalipto imunizado (diâmetro de 15 cm a 20 cm). Pregos, troncos de contenção. Portões. Dobradiças Ferramentas básicas.   Passo a passo: Planeje o layout da cerca de acordo com as necessidades de manejo e confinamento. Cave os buracos para os postes de acordo com a distância desejada entre eles, recomendando-se cerca de 3 a 4 metros de distância. Posicione os postes nos buracos e fixe-os no lugar com terra compactada. Fixe as tábuas de Eucalipto nos postes, formando uma estrutura sólida para a cerca. Certifique-se de que as tábuas estejam espaçadas adequadamente, com uma distância de 2 a 3 cm entre elas para permitir a ventilação adequada. Utilize pregos para fixar as tábuas nos postes, garantindo uma conexão segura. Instale os troncos de contenção em pontos estratégicos, onde os animais serão direcionados durante o manejo. Acrescente os portões nas áreas necessárias, fixando-os nos postes com dobradiças para permitir o acesso aos animais. Verifique a integridade da cerca regularmente e faça os reparos necessários. Cercas de Proteção de Lavouras e Áreas Sensíveis Essas cercas são usadas para proteger lavouras, jardins ou áreas sensíveis da invasão de animais. Materiais necessários Postes de Eucalipto imunizado (diâmetro de 10 cm a 15 cm). Arame farpado. Tela de arame (bitola 12 a 14). Pregos esticadores.   Ferramentas básicas.   Passo a passo: Marque os limites da área a ser protegida e identifique os pontos de fixação dos postes. A distância recomendada entre os postes é de 2 a 3 metros. Cave os buracos para os postes, com uma profundidade de cerca de 50 cm. Posicione os postes nos buracos e certifique-se de que estejam nivelados e alinhados corretamente. Preencha os buracos com terra e compacte bem ao redor dos postes. Estique o arame farpado ou a tela de arame de um poste ao outro, começando pela parte inferior e subindo gradualmente. Prenda o arame aos postes com grampos, certificando-se de que esteja firme e tensionado. Utilize esticadores para ajustar a tensão do arame, se necessário. Verifique regularmente a integridade da cerca e faça os reparos necessários.   Ao construir as cercas, é importante seguir as regulamentações locais e considerar o tipo de gado e as necessidades específicas de manejo. A utilização de Eucalipto imunizado garante maior resistência e durabilidade às cercas, proporcionando uma solução eficiente e sustentável para o manejo do gado.    

Saiba como identificar o correto tratamento da madeira

A preservação de madeiras com o composto CCA-C (Cobre-Cromo-Arsênio tipo C) é uma prática muito utilizada em diversos setores da indústria madeireira, especialmente na construção civil e no agronegócio. No entanto, para garantir a segurança e a durabilidade das estruturas construídas com essas madeiras, é fundamental que sejam cumpridas algumas diretrizes e seja realizado um controle de qualidade. Nesse sentido, a norma brasileira NBR 9480 estabelece os requisitos e métodos de ensaio para a avaliação da eficiência da preservação de madeiras com CCA-C. Entre os aspectos avaliados estão a penetração e a retenção do composto na madeira, bem como sua eficácia contra organismos xilófagos. Tanto a penetração quanto a retenção do preservativo na madeira estão diretamente relacionados à umidade com que a madeira será submetida ao processo de imunização, portanto, é fundamental haver o controle de umidade da madeira antes deste processo. Para aferir a umidade da madeira é utilizado o medidor de umidade resistivo, este deve ser manuseado por profissional capacitado que o configure de acordo com as características da madeira.  Além disso, a norma também estabelece critérios para a seleção das madeiras a serem tratadas com CCA-C, bem como para o armazenamento e transporte dessas madeiras. Tudo isso contribui para garantir a qualidade e a eficiência do processo de preservação. O controle de qualidade na preservação de madeiras com CCA-C é importante não apenas para garantir a durabilidade e segurança das estruturas construídas com essas madeiras, mas também para proteger o meio ambiente e a saúde das pessoas envolvidas no processo de tratamento. A norma NBR 9480, desempenha um papel fundamental nesse sentido, estabelecendo critérios claros e objetivos para o controle de qualidade da preservação de madeiras com CCA-C, portanto para que o consumidor tenha ciência se a madeira que está adquirindo atende a esta NBR, o mesmo deve solicitar ao seu fornecedor de madeira tratada os resultados das análises laboratoriais de retenção destas.  

Uma breve história sobre a preservação de madeiras

A prática de preservação de madeiras tem suas raízes na antiguidade, quando os egípcios e os gregos já utilizavam técnicas para prolongar a vida útil da madeira. Uma dessas técnicas era a imersão da madeira em óleos e resinas, o que ajudava a evitar sua deterioração. Os romanos também utilizavam técnicas semelhantes para preservar a madeira em suas construções. No entanto, a preservação de madeiras como uma ciência é mais recente, tendo surgido no século XIX. Foi apenas no final do século XIX e início do século XX que a preservação de madeiras começou a ser vista como uma ciência e a ser estudada de forma mais aprofundada. Em 1903, foi fundado o American Wood Preservers Association, uma organização que se dedicava ao estudo e desenvolvimento de técnicas de preservação de madeiras. A partir daí, foram desenvolvidas diversas técnicas mais eficazes e seguras para a preservação de madeiras, como a utilização de produtos químicos para impregnar a madeira e protegê-la de fungos e insetos. Uma das técnicas mais utilizadas atualmente é a imunização com CCA-C, que consiste na aplicação de uma solução contendo cobre, cromo e arsênio na madeira, conferindo-lhe propriedades fungicidas, inseticidas e contra a putrefação. A utilização da madeira imunizada com CCA-C no Brasil teve início na década de 1970, quando a indústria madeireira começou a se desenvolver e a demanda por madeira tratada aumentou. A primeira empresa a fabricar madeira imunizada com CCA-C no Brasil foi a Cibra, em 1976. A partir daí, o uso da madeira imunizada com CCA-C se popularizou e hoje é amplamente utilizada em diversas áreas, como na construção de pontes, postes, mourões, cercas, decks, móveis para áreas externas, entre outros. O sucesso da madeira imunizada com CCA-C se deve à sua eficiência em proteger a madeira contra agentes biológicos e à sua durabilidade, que é maior em comparação com a madeira não tratada. Além disso, a madeira imunizada com CCA-C é resistente a intempéries, o que a torna ideal para uso em áreas externas. Outro fator que contribuiu para a expansão do uso da madeira imunizada com CCA-C no Brasil foi a preocupação com o meio ambiente. A madeira é um material renovável, mas sua exploração descontrolada pode levar à devastação de florestas e impactos ambientais significativos. A utilização da madeira imunizada com CCA-C contribui para a preservação das florestas, já que a madeira tratada pode ter uma vida útil maior, reduzindo a necessidade de exploração de novas áreas. No Brasil, o uso de madeira tratada também tem crescido nos últimos anos, com destaque para a utilização de CCA. Segundo dados do Serviço Florestal Brasileiro, a quantidade de madeira tratada com CCA comercializada no país em 2011 foi de aproximadamente 610 mil metros cúbicos. Já em 2020, foram comercializados cerca de 1,1 milhão de metros cúbicos de madeira tratada com CCA.

A importância do Eucalipto na preservação da floresta nativa

A sustentabilidade é um dos principais desafios que a humanidade enfrenta atualmente. A crescente demanda por recursos naturais está colocando uma pressão significativa sobre o meio ambiente e ameaçando a capacidade das gerações futuras de atender às suas necessidades. A utilização da madeira de reflorestamento como o eucalipto é uma solução promissora para esse problema. Ao optar por fontes de madeira de reflorestamento, empresas como a Torabras contribuem para a preservação das florestas nativas e para a redução da pressão sobre os ecossistemas naturais. A principal vantagem de usar madeira de reflorestamento é a sustentabilidade ambiental. Isso ocorre porque a madeira é produzida a partir de árvores cultivadas em florestas plantadas especificamente para esse fim, o que ajuda a reduzir a pressão sobre as florestas nativas e os ecossistemas naturais. Além disso, a utilização da madeira de reflorestamento também contribui para a absorção de CO2 da atmosfera, pois as árvores em crescimento absorvem esse gás durante o processo de fotossíntese. Outras vantagens incluem a geração de empregos na cadeia produtiva da madeira, a possibilidade de certificação do manejo florestal e a redução da dependência de recursos naturais não renováveis. É importante salientar que, para cada hectare de floresta plantada preservamos, em média, 10 hectares de floresta nativa. A sustentabilidade no uso da madeira de reflorestamento não é uma responsabilidade apenas das empresas, mas também dos consumidores finais. É importante que todos nós optemos por produtos que sejam produzidos de forma sustentável e que promovam a conservação ambiental. Em resumo, a utilização da madeira de reflorestamento como o eucalipto é uma solução promissora para a preservação do meio ambiente e a redução da pressão sobre os ecossistemas naturais. Empresas como a Torabras desempenham um papel importante nesse processo.  

Madeiras de Reflorestamento e a sustentabilidade ambiental

A sustentabilidade é um dos principais desafios que a humanidade enfrenta atualmente. A crescente demanda por recursos naturais está colocando uma pressão significativa sobre o meio ambiente e ameaçando a capacidade das gerações futuras de atender às suas necessidades. No entanto, a utilização da madeira de reflorestamento como o eucalipto é uma solução promissora para esse problema. Ao optar por fontes de madeira de reflorestamento, empresas como a Torabras contribui para a preservação das florestas nativas e para a redução da pressão sobre os ecossistemas naturais. A principal vantagem de usar madeira de reflorestamento é a sustentabilidade ambiental. Isso ocorre porque a madeira é produzida a partir de árvores cultivadas em florestas plantadas especificamente para esse fim, o que ajuda a reduzir a pressão sobre as florestas nativas e os ecossistemas naturais. Além disso, a utilização da madeira de reflorestamento também contribui para a absorção de CO2 da atmosfera, pois as árvores em crescimento absorvem esse gás durante o processo de fotossíntese. Outras vantagens incluem a geração de empregos na cadeia produtiva da madeira, a possibilidade de certificação do manejo florestal e a redução da dependência de recursos naturais não renováveis. No entanto, a sustentabilidade no uso da madeira de reflorestamento não é uma responsabilidade apenas das empresas, mas também dos consumidores finais. É importante que todos nós optemos por produtos que sejam produzidos de forma sustentável e que promovam a conservação ambiental. Em resumo, a utilização da madeira de reflorestamento como o eucalipto é uma solução promissora para a preservação do meio ambiente e a redução da pressão sobre os ecossistemas naturais. Empresas como a Torabras desempenham um papel importante nesse processo.

FAÇA JÁ UM ORÇAMENTO

Gostou do nosso trabalho? Entre em contato e faça um orçamento!